POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA

A toxicidade do ar compromete a saúde de um organismo adaptado a um ambiente despoluído. Nesse aspecto, a urbe providencia condições aberrantes: os espaços interiores são quase hermeticamente fechados, contaminados por ar viciado, ou providos de janelas mais pequenas do que a televisão, que, frequentemente, introduzem os fumos tóxicos dos automóveis e dos cigarros que abundam na rua. O ar da cidade contém uma mescla inescapável de milhares de químicos, muitos dos quais cancerígenos, responsáveis por milhões de mortes anuais.1

POLUIÇÃO AÉREA – PATOLOGIAS

Em Portugal, o cancro mais mortal é o do pulmão, e a 3ª principal causa de morte corresponde a doenças respiratórias.2 No resto do mundo, a pneumonia é a 3ª, a doença pulmonar a 5ª, e o cancro do pulmão a 9ª, na classificação das 10 principais causas de morte.3 Adicionalmente, a asma é a doença crónica mais frequente em crianças.4 Essas patologias, e muitas outras, são influenciadas directa e indirectamente por uma atmosfera contaminada, mesmo se a níveis considerados seguros.5

PRÁTICA

Nos países subdesenvolvidos, as principais causas de poluição aérea consistem na combustão de biomassa para cozinhar, enquanto nos países desenvolvidos a poluição é liderada pelos fumos dos automóveis e indústriaEm casa, os químicos que se libertam dos diversos tipos de materiais podem contribuir principalmente para a contaminação do ar.6,7 Por sua vez, apesar de décadas de sensibilização, o consumo de tabaco permanece como um dos principais factores de risco para a mortalidade prematura.8 Assim sendo, é improvável que as condições mudem significativamente até à introdução de tecnologias desprovidas do impacto actual. Seguem, no entanto, algumas sugestões que permitem ajudar a mitigar o problema:

  • Privilegiar zonas despoluídas para a habitação e lazer.9,10
  • Manter a habitação arejada e fresca. Não fechar os espaços ao ponto de comprometer a qualidade do ar.11
  • Purificadores de ar para o interior e máscaras ou filtros nasais para o exterior podem ser vantajosos em circunstâncias em que a qualidade do ar está comprometida.12
  • Reduzir a utilização de detergentes, pesticidas, perfumes, incenso, velas e outras fontes de poluição aérea.11
  • Cozinhar carne pode produzir fumos mutagénicos que aumentam o risco de doenças respiratórias e cancro do pulmão, ao contrário de cozinhar alimentos vegetais.13,14
  • Consumir carne está associado a um aumento do risco de doenças respiratórias e cancro do pulmão, pelo contrário, consumir frutas e vegetais exerce um efeito protector.15,16,17
  • Plantas na habitação podem oferecer benefícios na descontaminação do ar.18
  • Andar a pé, de bicicleta ou de transportes públicos em detrimento do automóvel.19,20
  • Optar por automóveis mais pequenos, com tecnologias híbridas ou eléctricas.21,22
  • Não fumar, evitar a exposição ao fumo de tabaco, evitar expor os outros ao fumo de tabaco. A utilização do cigarro electrónico permite a administração de nicotina com uma redução de 95% das toxinas em relação ao cigarro convencional.23,24

Há estudos indicativos de que, em Portugal, cerca de 22.9% das grávidas fumam.25


1 – World Health Organization, 7 million premature deaths annually linked to air pollution.
2 – INE | DGS/MS, INE, PORDATA. Obitos por Algumas Causas de Morte (Percentagem). Última actualização: 2017-04.
3 – WHO, The 10 leading causes of death in the world, 2000 and 2012. The top 10 causes of death Fact sheet N°310. Updated May 2014
4 – G. John Gibson. (2013) The European Lung White Book: Respiratory Health and Disease in Europe. European Respiratory Society; 2nd Revised edition edition.
5 – Rückerl R, Schneider A, Breitner S, Cyrys J, Peters A. Health effects of particulate air pollution: A review of epidemiological evidence. Inhal Toxicol. 2011 Aug;23(10):555-92.
6 – FedericoKaragulian et al. Contributions to cities’ ambient particulate matter (PM): A systematic review of local source contributions at global level. Atmospheric Environment Volume 120, November 2015, Pages 475-4837.
7 -Frank J. Kelly, Julia C. Fussell. Air pollution and public health: emerging hazards and improved understanding of risk. Environ Geochem Health. 2015; 37(4): 631–649.
8 – Institute for Health Metrics and Evaluation. Top 10 causes of DALYs with key risk factors, 2015. University of Washington.
9 – Robert Laumbach, Qingyu Meng, and Howard Kipen. What can individuals do to reduce personal health risks from air pollution? J Thorac Dis. 2015 Jan; 7(1): 96–107.
10 – Indoor Pollutants. National Research Council (US) Committee on Indoor Pollutants. Washington (DC): National Academies Press (US); 1981.
11 – Komalkirti Apte, Sundeep Salvia. Household air pollution and its effects on health. Version 1. F1000Res. 2016; 5: F1000 Faculty Rev-2593.
12 – James L. Sublett. Effectiveness of Air Filters and Air Cleaners in Allergic Respiratory Diseases: A Review of the Recent Literature. Curr Allergy Asthma Rep. 2011 Oct; 11(5): 395–402.
13 – Thiébaud HP, Knize MG, Kuzmicky PA, Hsieh DP, Felton JS. Airborne mutagens produced by frying beef, pork and a soy-based food. Food Chem Toxicol. 1995 Oct;33(10):821-8.
14 – Wieslaw Jedrychowski. Impact of barbecued meat consumed in pregnancy on birth outcomes accounting for personal prenatal exposure to airborne polycyclic aromatic hydrocarbons: Birth cohort study in Poland. Nutrition. 28 (2012) 372-377
15 – F. L. Büchner et al. Fruits and vegetables consumption and the risk of histological subtypes of lung cancer in the European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition (EPIC). Cancer Causes Control. 2010 Mar; 21(3): 357–371.Published online 2009 Nov 19.
16 – Bronwyn S. Berthon, Lisa G. Wood. Nutrition and Respiratory Health—Feature Review. Nutrients. 2015 Mar; 7(3): 1618–1643.
17 – Xiu-Juan Xue, Qing Gao, Jian-Hong Qiao, Jie Zhang, Cui-Ping Xu, Ju Liu. Red and processed meat consumption and the risk of lung cancer: a dose-response meta-analysis of 33 published studies. Int J Clin Exp Med. 2014; 7(6): 1542–1553.
18 – Pegas PN, Alves CA, Nunes T, Bate-Epey EF, Evtyugina M, Pio CA. Could houseplants improve indoor air quality in schools? J Toxicol Environ Health A. 2012;75(22-23):1371-80.
19 – Morabia A, Amstislavski PN, Mirer FE, Amstislavski TM, Eisl H, Wolff MS, Markowitz SB. Air pollution and activity during transportation by car, subway, and walking. Am J Prev Med. 2009 Jul;37(1):72-7.
20 – Alfredo Morabia et al. Potential Health Impact of Switching From Car to Public Transportation When Commuting to Work. Am J Public Health. 2010 December; 100(12): 2388–2391.
21 – Kim HC, Wallington TJ, Arsenault R1, Bae C, Ahn S, Lee J. Cradle-to-Gate Emissions from a Commercial Electric Vehicle Li-Ion Battery: A Comparative Analysis. Environ Sci Technol. 2016 Jul 19;50(14):7715-22.
22 – André Cabrera Serrenho, Jonathan B. Norman, Julian M. Allwood. The impact of reducing car weight on global emissions: the future fleet in Great Britain. Philos Trans A Math Phys Eng Sci. 2017 Jun 13; 375(2095): 20160364.
23 – Public Health England. E-cigarettes: a new foundation for evidence-based policy and practice. Produced by the Health & Wellbeing Directorate, Public Health England
24 – Lion Shahab, Maciej L. Goniewicz, Benjamin C. Blount, Jamie Brown, Ann McNeill, K. Udeni Alwis, June Feng, Lanqing Wang, Robert West. Nicotine, Carcinogen, and Toxin Exposure in Long-Term E-Cigarette and Nicotine Replacement Therapy Users. Annals of Internal Medicine, 2017
25 – Emília Nunes, Miguel Narigão. (2015) Cessação Tabágica na Gravidez. Guia para Profissionais de Saúde. Direcção Geral de Saúde, Lisboa.


Leave a Reply