EXPOSIÇÃO SOLAR

A evolução da espécie humana está sediada em ambientes tropicais, caracteristicamente luminosos, quentes e de ritmos solares estáveis, que correspondem à base das suas adaptações naturais.A luz solar é fundamental para regular os ritmos circadianos, uma vez que impede a produção de melatonina e favorece a de serotonina, o que quebra a fase de descanso e promove a actividade.A radiação solar também é determinante para a controlar a temperatura corporal, e constrangeu a ocupação de climas frios antes do surgimento de tecnologias como o vestuário e o fogo. Além da regulação circadiana e térmica, a exposição à luz exerce outros efeitos fisiológicos benéficos, de entre os quais a promoção da síntese de vitamina D.

EXPOSIÇÃO SOLAR E VITAMINA D

O êxodo dos trópicos proporcionou intensidades solares inferiores e temperaturas mais frias, o que favoreceu o desenvolvimento de pele clara, que facilita a produção de vitamina D com quantidades de luz inferiores. Porém, a construção de cidades sombrias e a clausura habitacional, conduziram a uma redução marcada da exposição solar, que promoveu as epidemias de raquitismo e tuberculose – conhecidas como as pragas brancas, pelas aparências pálidas que as acompanhavam.3 Actualmente, a deficiência de vitamina D é epidémica, com uma prevalência estimada de 41.6% nos caucasianos, 69.2% nos hispano-americanos e 82.1% nos afro-americanos.%.4 Praticamente todas as células do corpo humano têm receptores de vitamina D, o que indica a necessidade de requisitos substanciais, que não são satisfeitos pela maioria dos estilos de vida urbanizados. Consequentemente, a deficiência está relacionada com um largo espectro de afecções.5,6 A capacidade da vitamina D promover a produção de renina – uma das hormonas mais importantes para regular a pressão sanguínea – explica a sua relação com a hipertensão e a doença cardiovascular.7 No caso da diabetes, foi estabelecido que as células pancreáticas possuem receptores de vitamina D que necessitam de ser adequadamente activados para favorecer a síntese e a produção de insulina.8 Em relação ao cancro, demonstrou-se que a vitamina D possui a capacidade de impedir a proliferação e promover a destruição de células malignas.A vitamina D também promove a produção de Catelicidina, uma substância que combate agentes microbianos, e ajuda a explicar a sazonalidade das infecções.10

Nos anos 30, em Londres, as gaiolas para bebés, que eram colocadas na parte exterior das janelas, tornaram-se numa forma popular de proporcionar banhos de sol e de ar fresco às crianças.

OUTROS EFEITOS BENÉFICOS DA LUZ SOLAR

  • Possui a capacidade de tratar várias doenças de pele, tais como a dermatite, a psoríase e até alguns tipos de cancro cutâneo.11,12
  • Potencia a produção da Hormona Estimulante de Melanócitos, o que favorece a função imunitária e previne o risco de cancro e de doenças autoimunes.13
  • É um tratamento eficaz para diversos problemas neurológicos, tais como a desordem sazonal e a depressão, fazendo aumentar a circulação sanguínea cerebral e os níveis de serotonina, o que resulta num humor mais positivo e em melhorias da função cognitiva.14,15
  • Aumenta os níveis de opióides naturais chamados de endorfinas, o que indica que o sistema de pigmentação cutâneo é um elemento importante de resposta ao stress.13
  • Interrompe a transmissão de vírus e bactérias, através da desinfecção do ar e da água, o que ajuda a explicar a sua eficácia na redução da diarreia e da cólera.16,17

Fototerapia para a icterícia neonatal – mais uma das aplicações benéficas da luz UV, uma que vez ajuda a decompor o excesso de bilirrubina que caracteriza a condição.

A INDÚSTRIA DO CANCRO DE PELE

A epidemia de desordens relacionadas com a exposição solar insuficiente contrasta com os apelos sociais de promoção de fuga do sol, abuso de loções, execução de auto-exames, e sobrepreocupação com as repercussões da exposição. Se, por um lado, um apelo de cautela é totalmente adequado – a exposição solar é um factor implicado em lesões cutâneas que podem envelhecer prematuramente a pele e promover o desenvolvimento de melanoma – por outro, as mensagens actuais escondem interesses económicos vastos e podem ser perigosas: um princípio de evasão, ao invés de um de busca responsável pela exposição solar, resulta em problemas de saúde mais sérios do que aqueles que a fuga previne.

A Organização Mundial de Saúde confirma que a exposição excessiva aos raios ultravioleta representa apenas 0.1% da carga global de doença, que é tendencialmente benigna (com excepção do melanoma maligno) e ocorre em grupos de idade avançada.11 Por sua vez, a exposição insuficiente resulta em desordens que são significativamente mais sérias e comuns, de entre os quais aumento da incidência de cancro, não a sua diminuição. A probabilidade de desenvolver cancro de pele por exposição a níveis elevados de radiação é menor do que a probabilidade de desenvolver outros tipos de cancro, bastante mais perigosos, por causa de níveis de exposição insuficientes, tais como o cancro da mama e do cólon.18,19.20 A exposição solar está, inclusivamente, associada a um aumento da sobrevivência em casos de melanoma, o que pode estar relacionado com a actividade anticancerígena da vitamina D e com a capacidade da luz de aumentar a reparação dos genes.21

Os protectores solares, que são promovidos como uma linha de defesa indispensável, contêm, por vezes, substâncias implicadas na toxicidade cutânea, que podem ser absorvidas através da pele.22,23 Além disso, reduzem os efeitos benéficos da exposição, uma vez que bloqueiam os raios que permitem a acomodação da pele ao sol e permitem a produção de vitamina D. Consequentemente, os utilizadores de protector solar podem apresentar níveis mais baixos de vitamina D e incidências superiores de deficiência.24 Países onde as loções foram recomendadas e adoptadas com maior antecipação experienciaram aumentos de melanoma maligno e das taxas de mortalidade subsequentes.25,26

Em adição, a promoção de auto-exames cutâneos resulta numa eficaz canalização de público para os consultórios dermatológicos – repletos de custosas prescrições e terapias. No entanto, não há evidência significativa dos benefícios do rastreio para o cancro de pele, especialmente na sobrevivência de melanoma maligno, e os dados indicam que pode aumentar o risco de transtornos psicológicos, dermatológicos e sobrediagnoses. Supõe-se que uma das justificações para o aumento da incidência de melanoma, apesar da manutenção das taxas de mortalidade, reside no acréscimo das biópsias de cancros clinicamente irrelevantes.27,28

O descurar das repercussões da exposição solar insuficiente, dos potenciais comprometimentos gerados pelo abuso de loções, assim como o incentivo à consulta médica, sugerem o cariz comercial do que aparenta ser uma preocupação descomprometida. Essas campanhas são, não surpreendentemente, lideradas pela indústria cosmética, farmacêutica e médica, que colhem as receitas originadas por um espectro de alarmismos tendenciosos.

29 Por um lado, a evidência científica indica que o rastreio para o cancro de pele não melhora as hipóteses de sobrevivência, por outro, os cartazes alarmistas da Associação Contra o Cutâneo dão a entender precisamente o oposto – expectavelmente, as forças motrizes das campanhas são as indústrias que lucram com as suas repercussões.

PRÁTICA

Em síntese, a exposição solar é benéfica e desejável, mas necessita de ser acompanhada de ressalvas importantes para minimizar os riscos e os prejuízos:

  • É insensato expor a pele desabituada à luz solar forte. A exposição deve ser faseada e sem desconforto.
  • Indivíduos de pele clara devem ter um cuidado acrescido; os pele escura podem ter uma exposição liberal.
  • Maior liberdade no Inverno, maior cuidado no Verão, ou em localidades tropicais.
  • Se houver a possibilidade de escaldões, o mais adequado é ir para a sombra ou vestir roupa e pôr um chapéu. Filtros físicos são preferíveis a filtros químicos – que, ainda assim, podem ser úteis em circunstâncias em que a exposição excessiva não pode ser evitada de outra forma.
  • Uma dieta rica em antioxidantes exerce efeitos benéficos na prevenção dos danos provocados pelos raios U.V.30

Senso comum: usufruir da luz solar sem queimar nem exagerar.

Um motorista de pele clara que durante 28 anos esteve mais exposto à radiação solar no lado esquerdo da cara, demonstra de uma forma impressionante a amplitude dos danos contribuídos pelos raios UV.


1 – Holick MF. Biological Effects of Sunlight, Ultraviolet Radiation, Visible Light, Infrared Radiation and Vitamin D for Health. Anticancer Res. 2016 Mar;36(3):1345-56.
2 – Shia T Kent, Leslie A McClure, William L Crosson, Donna K Arnett. Effect of sunlight exposure on cognitive function among depressed and non-depressed participants: a Regards cross-sectional study. Environmental Health 2009, 8:34
3 – Gillie O. Blinded by science, pragmatism forgotten. Public Health Nutr. 2011 Apr;14(4):566-7.
4 – Forrest KY, Stuhldreher WL. Prevalence and correlates of vitamin D deficiency in US adults. Nutr Res. 2011 Jan;31(1):48-54.
5 – Holick MF. Vitamin D: extraskeletal health. Endocrinol Metab Clin North Am. 2010 Jun;39(2):381-400.
6 – Matthias Wacker and Michael F. Holick. Vitamin D — Effects on Skeletal and Extraskeletal Health and the Need for Supplementation. Nutrients 2013, 5(1), 111-148.
7 – Tamez H, Thadhani RI. Vitamin D and hypertension: an update and review. Curr Opin Nephrol Hypertens. 2012 Sep;21(5):492-9.
8 – Mathieu C, Gysemans C, Giulietti A, Bouillon R. Vitamin D and diabetes. Diabetologia. 2005 Jul;48(7):1247-57. Epub 2005 Jun 22.
9 – Cedric F. Garland, Frank C. Garland, Edward D. Gorham, MPH, Martin Lipkin. The Role of Vitamin D in Cancer Prevention. Am J Public Health. 2006 February; 96(2): 252–261.
10 – Osmancevic A, Nilsen LT, Landin-Wilhelmsen K, Søyland E, Abusdal Torjesen P, Hagve TA, Nenseter MS, Krogstad AL. Effect of climate therapy at Gran Canaria on vitamin D production, blood glucose and lipids in patients with psoriasis. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2009 Oct;23(10):1133-40.
11 – Light Therapy. American Cancer Society. 14 April 2011.
12 – Patrizi, A; Raone, B; Ravaioli, GM. Management of atopic dermatitis: safety and efficacy of phototherapy. Clinical, cosmetic and investigational dermatology. 8: 511–20.
13 – M. Nathaniel. Benefits of Sunlight: A Bright Spot for Human Health. Environ Health Perspect. 2008 Apr; 116(4): A160–A167.
14 – Tuunainen, A; Kripke, DF; Endo, T (2004). Tuunainen, Arja, ed. “Light therapy for non-seasonal depression”. Cochrane Database of Systematic Reviews (2):
15 – Even, C; Schröder, CM; Friedman, S; Rouillon, F (2008). “Efficacy of light therapy in nonseasonal depression: A systematic review”. Journal of Affective Disorders. 108 (1–2): 11–23.
16 – Heier I, Søyland E, Krogstad AL, Rodríguez-Gallego C, Nenseter MS. Sun exposure rapidly reduces plasmacytoid dendritic cells and inflammatory dermal dendritic cells in psoriatic skin. Br J Dermatol. 2011 Oct;165(4):792-801.
17 – Gerald Pail Wolfgang Huf Edda Pjrek Dietmar Winkler Matthaeus Willeit. Bright-Light Therapy in the Treatment of Mood Disorders. Neuropsychobiology 2011;64:152–162.
18 – Emerson JC, Weiss NS. Colorectal cancer and solar radiation. Cancer Causes Control. 1992 Jan;3(1):95-9.
19 – Garland CF, Garland FC. Do sunlight and vitamin D reduce the likelihood of colon cancer? Int J Epidemiol. 1980 Sep;9(3):227-31.
20 – Gorham ED, Garland FC, Garland CF. Sunlight and breast cancer incidence in the USSR. Int J Epidemiol. 1990 Dec;19(4):820-4.
21 – Berwick M, Armstrong BK, Ben-Porat L, Fine J, Kricker A, Eberle C, Barnhill R. Sun exposure and mortality from melanoma. J Natl Cancer Inst. 2005 Feb 2;97(3):195-9.
22 – Environmental Working Group. The trouble with Ingredients in Sunscreens. http://www.ewg.org/sunscreen/report/the-trouble-with-sunscreen-chemicals/
23 – Vikram Sarveiyaa, Stacey Riskb, Heather A.E Bensonc. Liquid chromatographic assay for common sunscreen agents: application to in vivo assessment of skin penetration and systemic absorption in human volunteers. Journal of Chromatography B Volume 803, Issue 2, 25 April 2004, Pages 225–231.
24 – Matsuoka LY, Wortsman J, Hanifan N, Holick MF. Chronic sunscreen use decreases circulating concentrations of 25-hydroxyvitamin D. A preliminary study. Arch Dermatol. 1988 Dec;124(12):1802-4.
25 – C F Garland, F C Garland, and E D Gorham. Could sunscreens increase melanoma risk? Am J Public Health. 1992 April; 82(4): 614–615.
26 – Vainio H, Bianchini F. Cancer-preventive effects of sunscreens are uncertain. Scand J Work Environ Health. 2000 Dec;26(6):529-31.
27 – Karen J. Wernli, PhD, MS1; Nora B. Henrikson, PhD, MPH1; Caitlin C. Morrison, MPH1; et al. Screening for Skin Cancer in AdultsUpdated Evidence Report and Systematic Review for the US Preventive Services Task Force. JAMA. 2016;316(4):436-447.
28 – Wolff T, Tai E, Miller T. Screening for skin cancer: an update of the evidence for the U.S. Preventive Services Task Force. Ann Intern Med. 2009 Feb 3;150(3):194-8.
29 – apcancrocutaneo.pt, euromelanoma.org
30 – Rajani Katta, Samir P. Desai. Diet and Dermatology. The Role of Dietary Intervention in Skin Disease. J Clin Aesthet Dermatol. 2014 Jul; 7(7): 46–51.

Leave a Reply