A SUPOSIÇÃO DE QUE OS PRIMATAS SÃO OMNÍVOROS

A denominação omnívora aplicada aos humanos é, frequentemente, baseada na extrapolação de que as caçadas esporádicas e o consumo de carne de alguns primatas os convertem em predadores naturais, cuja classificação dietética reside no omnivorismo – um factor que poderia sugerir os desígnios da ascendência humana. No entanto, essa interpretação resulta da exposição à concentração anormal de cenas de caçadas efusivas em documentários que exibem grandemente os comportamentos de excepção – de características mais sensacionalistas e mediatizáveis – do que a norma alimentar pacifista. A indução de um ponto de vista desperspectivado leva a opinião pública acreditar na prevalência do comportamento predador, sem a noção de que este não representa o padrão alimentar predominante e as necessidades nutricionais dos primatas.

Evidência documentada pelos primatólogos mais proeminentes revela que tanto a postura predatória como a violência entre os chimpanzés pode ter sido largamente motivada pela interferência humana, em particular pela introdução de comida.1 Além disso, esses comportamentos são normalmente reservados aos chimpanzés macho, raramente verificáveis nas fêmeas e nunca nos jovens. Por sua vez, as outras espécies de primatas, tais como os orangotangos, os gorilas e os bonobos – a espécie com a qual partilhamos as maiores semelhanças comportamentais – são praticamente desprovidas de tendências predatórias.2

chimps

Apesar de a percepção da importância da carne na dieta hominídea ter sido inflacionada por reportagens de caça e consumo de carne observado em populações de chimpanzés, um estudo da sua dieta determinou que a carne de mamíferos representa menos do que 0.5% do consumo total,3 e que a divergência do nicho dietético apenas é evidente quando a disponibilidade de fruta é limitada.4 Portanto, o despropósito da atribuição omnívora é evidenciado pela irrelevância das fontes animais na providenciação dos requisitos nutricionais, incluindo os proteicos.2

Além disso, quando os chimpanzés caçam, normalmente comem primeiro as partes moles, como as tripas, o fígado e o cérebro. Quando comem músculo são forçados a mastigar devagar, demorando cerca de uma hora para consumir 300 gramas de carne. Se os hominídeos tivessem dependido de carne para um fornecimento calórico significativo, o tempo despendido na mastigação e os custos digestivos envolvidos teriam sido prejudicialmente elevados.5

3278Nos bonobos, assim como noutras espécies de grandes primatas, os comportamentos predatórios são raros.


1 – Robert W. Sussman. The Myth of Man the Hunter, Man the Killer and the Evolution of Human Morality. Volume 34, Issue 3, pages 453–471, September 1999
2 – Patrick Pasquet. Theories of Human Evolutionary Trends in Meat Eating and Studies of Primate Intestinal Tracts. Centre National de la Recherche Scientifique, France.
3 – Sussman, Robert W., Cloninger, C. Robert (2011) Origins of Altruism and Cooperation. Springer.
4 – Tutin CE, Fernandez M, Rogers ME, Williamson EA, McGrew WC. Foraging profiles of sympatric lowland gorillas and chimpanzees in the Lope Reserve, Gabon. Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 1991 Nov 29;334(1270):179-85; discussion 185-6.
5 – Richard Wrangham. (2009) Catching Fire: How Cooking Made Us Human. Basic Books.


Leave a Reply