A FRAUDE PALEO

Uma das dietas mais populares da actualidade é denominada por “Paleo” – de Paleolítico – uma vez que reside na premissa de que a melhor dieta para os humanos modernos é equiparável a uma dieta paleolítica supostamente carnívora. Alguns factos contundentes desmoronam claramente essa concepção:

1 – A BASE DA BIOLOGIA HUMANA ANTECEDE O PALEOLÍTICO

A evidência genética, anatómica e fisiológica suporta a posição de que a estruturação fundamental da biologia humana antecede o paleolítico e é fortemente herbívora.1 O ser humano insere-se no grupo biológico dos primatas antropóides, animais que evoluíram as características que os tipificam durante o Mioceno, um período com cerca de 25 milhões de anos, não no muito mais curto e posterior Paleolitico.2 Isso indica uma herança influenciada maioritariamente por uma dieta caracteristicamente primata – predominada pelo consumo de frutos e vegetais – não drasticamente por comportamentos carnívoros.Por exemplo, o consumo de gordura saturada e colesterol – substâncias que predominam na carne – provocam subidas patológicas dos lípidos sanguíneos, que não são verificáveis em dietas à base de plantas.4

A divergência entre os seres humanos e os animais do seu grupo evolutivo não sugere uma adaptação a uma dieta totalmente antagónica – baseada em carne.

2 – AS ACTUAIS DIETAS “PALEO” NÃO CORRESPONDEM À DIETA VERDADEIRAMENTE CONSUMIDA NO PALEOLÍTICO

As linhas modernas da dieta paleo não correspondem, de todo, ao tipo de dieta verdadeiramente adoptada durante o período paleolítico. A importância do consumo de hidratos de carbono e, em particular, de cereais, foi patente durante o percurso evolutivo de homo sapiens paleolítico.6,7 De facto, a própria revolução agrícola não é caracterizada pela adopção de series de alimentos inteiramente inovadoras, mas sim pelo aperfeiçoamento do conhecimento sobre os alimentos que já faziam parte das dietas antecedentes.8

Uma análise de planos alimentares concluiu que as dietas vegetarianas se aproximam mais de corresponder aos consumos nutricionais das verdadeiras dietas do paleolítico do que as ditas dietas paleo. Em relação à verdadeira dieta do paleolítico, os menus paleo providenciam o dobro dos níveis de gordura e gordura saturada, o triplo do colesterol, o quíntuplo do sódio, um terço dos hidratos de carbono e metade da vitamina C, do cálcio e da fibra. Em contrapartida, os menus vegetarianos providenciam consumos de hidratos de carbono, gordura e gordura saturada, fibra, vitamina B1, B2, C, E, ferro, cálcio, sódio e potássio mais próximos dos verdadeiros níveis das dietas do paleolítico.9

Alimentos de origem vegetal com quantidades elevadas de amido foram essenciais na evolução do ser humano do Pleistoceno – a época que engloba o Paleolítico.

3 – A DIETA PALEO PODE PRODUZIR
PREJUÍZOS DE SAÚDE EXPRESSIVOS

A dieta ocidental convencional é composta por quantidades liberais de carne, lacticínios e alimentos processados, e quantidades reduzidas de frutas e vegetais. Nesse contexto, a adopção de uma dieta paleo – que tende a implicar uma restrição favorável de alimentos processados e o aumento do consumo de frutas e vegetais – pode ser vantajosa para a saúde, e a proporcionar perda de peso e melhoria de factores de risco. No entanto, a permanência de bases calóricas de carne cria desfavorecimentos de saúde, em particular, em relação a dietas cujas bases calóricas e nutricionais provém de plantas.10 O potencial impacto negativo que a dieta Paleo induz nos lípidos sanguíneos pode ocorrer apesar das melhorias normalmente acompanhadas pela implementação de exercício e perda de peso.11

A dieta paleo pode transparecer perda de peso e melhorias de capacidade física enquanto proporciona prejuízos vasculares subjacentes.

4 – A DETERMINAÇÃO DA DIETA IDEAL NÃO DEPENDE APENAS
DA AVALIAÇÃO DA EVIDÊNCIA ARQUEOLÓGICA

A determinação da dieta adequada para o ser humano depende da análise do conjunto da evidência nas diversas áreas do conhecimento, não do recurso a um espectro miópico de provas. Além de potenciais prejuízos de saúde, a base carnívora da dieta do Paleolítico proporciona um impacto ambiental que, literalmente, impede a integração sustentável do ser humano.  Os próprios promotores da dieta paleo reconhecem a sua insustentabilidade particular e, como panaceia, promovem ignorantemente o recurso a animais de pastagem, vísceras e insectos.12 Apesar disso, em relação à pecuária convencional, a pecuária de pastagem requer um uso exacerbado de recursos, produz mais gases com efeito de estufa, e ocupa uma proporção superior de terra, o que a torna particularmente devastadora.13

O sistema convencional de produção animal requer apenas 56.3% dos animais, 24.8% da água, 55.3% da terra, e 71.4% da energia fóssil do que o sistema de produção em pastagem. As emissões de Co2 também são quase metade. A dieta paleo é, de facto, a dieta egoísta.


1 – Milton K. Back to basics: why foods of wild primates have relevance for modern human health. Nutrition.. 2000 Jul-Aug;16(7-8):480-3.
2 – Jenkins DJ, Kendall CW, Popovich DG, Vidgen E, Mehling CC, Vuksan V, Ransom TP, Rao AV, Rosenberg-Zand R, Tariq N, Corey P, Jones PJ, Raeini M, Story JA, Furumoto EJ, Illingworth DR, Pappu AS, Connelly PW. Effect of a very-high-fiber vegetable, fruit, and nut diet on serum lipids and colonic function. Metabolism. 2001 Apr;50(4):494-503.
3 – Patrick Pasquet. Theories of Human Evolutionary Trends in Meat Eating and Studies of Primate Intestinal Tracts. Centre National de la Recherche Scientifique, France.
4 – Jenkins DJ, Kendall CW. The garden of Eden: plant-based diets, the genetic drive to store fat and conserve cholesterol, and implications for epidemiology in the 21st century. Epidemiology. 2006 Mar;17(2):128-30.
5 – Karen Hardy, Jennie Brand-Miller, Katherine D. Brown, Mark G. Thomas, Les Copeland. The Importance of Dietary Carbohydrate in Human Evolution. The Quarterly Review of Biology 2015 90:3, 251-268
6 – Mercader J. Mozambican grass seed consumption during the Middle Stone Age. Science. 2009 Dec 18;326(5960):1680-3.
8 – Liu L, Bestel S, Shi J, Song Y, Chen X. Paleolithic human exploitation of plant foods during the last glacial maximum in North China. Proc Natl Acad Sci U S A. 2013 Apr 2;110(14):5380-5.
9 – Brenda Davis, Besanto Melina. (2014) Will the Real Paleo Diet Please Stand Up? Nutrition Facts.org
10 – Fleming RM. The effect of high-protein diets on coronary blood flow. Angiology. 2000 Oct;51(10):817-26
11 – Michael Smith. Unrestricted Paleolithic Diet is Associated with Unfavorable Changes to Blood Lipids in Healthy Subjects. International Journal of Exercise Science. 7(2) : 128-139, 2014
12 – Stephanie Vuolo. Is Paleo Sustainable for 7 Billion People? http://thepaleodiet.com
13 – Judith L. Capper. Is the Grass Always Greener? Comparing the Environmental Impact of Conventional, Natural and Grass-Fed Beef Production Systems. Animals 2012, 2(2), 127-143.


 

5 Comments

  1. ROSANGELA CARVALHO August 3, 2017
    • nutriliciousfood.com August 5, 2017
      • Compreender Nutrição David Millions August 18, 2017
  2. nutriliciousfood.com August 5, 2017
  3. Kolindo Zadrima August 25, 2017

Leave a Reply